Gil BirminghamJen, Be My Scape, teve a oportunidade de entrevistar Gil Birmingham sobre sua música. Além de ser um ator talentoso, Gil também é músico. Muitas pessoas que foram às várias convenções, como Eye-Con nesse final de semana na Flórida, ouviram Gil tocar.

Quais são as inspirações para suas letras e músicas?

Minha música bem do lugar emocional aonde eu estou quando eu a escrevo. É um derramamento da alma daquelas emoções para a o meu violão.

Em que gênero sua música se encaixa geralmente?

Minha música é rock clássico e blues na maioria das vezes.

Qual é o trabalho mais desafiador em criar uma música?

Escrever a música, a letra e produzi-la? Escrever a música não é realmente desafiador porque isso vem de um lugar de inspiração. É sobre conectar com o que eu estou sentindo no momento. Quando você me vê tocar, você entende que a música bem do meu coração. Gravar músicas é mais difícil porque você tem que ter uma redução sem deixar que os aspéctos técnicos de gravar entrem no caminho do processo criativo.

Eu vi a sua performace algumas vezes e sempre foi acústico. Você toca guitarra elétrica ou  tem algum interesse em tocar com alguma banda? Eu toco guitarra elétrica e acústica.

Minha música acústica está no gênero do rock, mas é uma textura mais sutil da minha expressão criativa. Quando eu toco guitarra elétrica, a experiência é muito mais musicalmente agressiva. É como se eu “rosnasse”. Poderia ser o lobo em mim? Os dois promovem profunda liberação e cura emocional.

Eu toquei com bandas no passado e sentei-me com algumas bandas de Los Angeles quando eu tive a oportunidade. Eu estou começando a gravar agumas coisas e trabalhando para colocar letras em algumas das minhas músicas. Eu adoraria juntar uma nova banda, tempo repartido. É algo que eu planejo fazer em um futuro não tão distante.

Você toca algum outro instrumento?

Apenas o violão.

Quem são os artistas que mais te influenciaram?

Minhas maiores influências tem sido artistas incríveis como Jim Hendrix, Stevie Ray Vaughn, Jeff Beck e Sting.

Qual é a sua prática musical e como você se tornou músico? Eu comecei a tocar violão com 10 anos. Música foi a saída para alguns desconfortos e dificuldades da minha infância. Ao passar dos anos, eu tenho tocado com várias bandas e sempre toquei minha música. Como atuar, é uma expressão da minha essência, e é uma parte complexa da minha vida.

Tem alguma música que você tenha escrito que é a sua favorita?

“A Walk in the Park”  é uma das minhas favoritas. Ela veio de um lugar de desafio e dor. Ela me dá forças e esperança, para que possamos ultrapassar o sofrimento da condição humana – o prazer de saber que nós podemos alterar nossas mentes para uma vibração diferente e que a única coisa real é o amor. Pessoas me disseram que essa música é hipnotizante. Quando eu a toco, eles sentem a essência do meu estado espiritual.

Qual é a sua banda/ música favorita nesse momento?

Meus gostos musicais são tão diversos que é difícil nomear só um grupo. Agora, eu estou gostando de Kings of Leon, Red Jumpsuit Apparatus e Switchfoot. Amanhã, podem ser grupos completamente novos.

Você estará apresentando o NAMA* em 3 de Outubro. O que nós podemos esperar de ver de você como apresentador?

Apresentar é algo natural para mim. Se você viu as minhas sessões de perguntas e respostas nas convenções, você tem uma idéia do meu estilo. Mas o show NAMMYS não é bem sobre mim. É sobre todos os maravilhosamente talentosos e criativos músicos Nativo Americanos. Vai ser uma noite tremenda, apresentando alguns dos melhores talentos musicais de hoje. Eu estou honrado de ter sido convidado para apresentar esse evento, já que música é uma parte tão importante da minha vida.

Para mais músicas do Gil Birmingham, confiram o MySpace dele e o seu site oficial. Gil estará nesse final de semana em Orlando, no evento Twi-life.

Fonte: Twilight Lexicon